Sem-categoria

Pitty: Claro e Escuro em Manaus

Reprodução

“Chiaroscuro”, título do terceiro álbum da Pitty é, também, o nome de sua atual turnê, que ela traz para Manaus no próximo sábado, no Tarumã Hall, em um show que, segundo a cantora, concentra toda a irreverência do CD e da banda, que se encontra numa nova fase.

Palavra italiana para “claro e escuro”, chiaroscuro é também uma das técnicas de pintura de Leonardo Da Vinci. A apresentação segue o mesmo roteiro, com a ideia do cenário, design de luz e figurino totalmente calcado no preto e branco. “O show tem esse formato, a estética visual condiz com o conceito do disco e o repertório mistura as músicas novas e as antigas mais conhecidas”, afirma Pitty para A CRÍTICA, destacando canções como “Admirável chip novo”, “Memórias”, “Equalize”, “Máscara” e “Na sua estante”. 

Nova fase

É evidente a mudança, tanto sonora quanto visualmente, na banda, desde o primeiro CD (“Admirável chip novo”) até a fase atual. “Muitas coisas mudaram, instintivamente. Nada foi programada ou racional; elas aconteceram porque a gente vai vivendo e somando à nossa bagagem, ouvindo novos sons, experimentando mais…”, revela a baiana. 

“Existe uma inquietude por aqui e uma vontade de sempre explorar algo inexplorado (sic). E claro, vai-se aprendendo com o tempo como chegar mais facilmente nos resultados sonoros que sua cabeça imagina”, acrescenta, dizendo, ainda, que “nesse último disco brinquei muito com o coro, bastante vozes, e efeitos vocais construídos de forma analógica – com pedais ao invés de plug-ins de computador. Gravamos de um jeito bastante garageiro”.

A sonoridade repleta de detalhes do álbum, foi transportada para o palco, como um desafio para a banda, que optou por resolver tudo apenas os quatro, sem auxílio de outros músicos. Isso faz com que esse show seja diferente dos das turnês anteriores.

Inspiração

“Me adora”, sucesso absoluto no País todo, foi o primeiro single do novo CD da banda. Quando perguntada para o que ela atribuia tanto sucesso, Pitty prontamente respondeu que não sabe exatamente. “Acho que a melodia remete a outros estilos musicais, tem essa pegada de rock da década de 50, meio inocente e sacana ao mesmo tempo. Talvez as pessoas tenham se identificado com a letra. Bom, estou só especulando, teria que perguntar à elas”, diverte-se.

De onde vem a inspiração para compor suas músicas? “De dentro. Ou melhor, vem do jeito que as coisas de fora refletem no lado de dentro”, avalia Pitty, filosofando.

Cena rockeira

Um grande nome do rock nacional, Pitty acredita que a cena do gênero atual tem dois lados”. “É a vantagem e a desvantagem da situação: ao mesmo tempo em que as novas mídias e a Internet possibilitam a chegada de bandas todo dia, isso também faz com que tudo seja mais autofágico e fugaz. Aparecem, mas não se sustentam. Existem muitas bandas legais, e outras não, como sempre foi”, compara.

Pitty revela que tem grandes planos ainda para este ano, “mas o maior de todos é dar continuidade a essa turnê”. “Estamos indo para o segundo single do disco, da música ‘Fracasso’. Ela já está tocando nas rádios e em breve virá o videoclipe”, adianta, deixando muitos fãs na expectativa.

Victor Affonso
Especial para A CRÍTICA

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s